COLAPSO COMPLETO DA HUMANIDADE!

*


* eu não entendia * por que ela tanto insistia * para que eu fosse * era nebulosa demais * em seus argumentos * parecia que representava um papel * não era muito comum isso a ela * agia de forma amadora * enquanto falava * e para se expressar * usava de gestos largos e desnecessários * para me convencer de que eu deveria * ir * que não devia sequer * hesitar * somente concordar * era visível seu esforço * na tentativa de me fazer perceber * que seria melhor * se eu acatasse * o que ela insistia * eu realmente não entendia * pensava eu * se for * tão fantástico assim * se for * de fato fazer alguma diferença * eficaz * qual seria o motivo * dela estar * tão desconfortável * nessa insistência * um problema impossível de solucionar * ela * bem na minha frente * quase suando * olhos saltados * mãos trêmulas * seus lábios trêmulos também * implorava * que eu não me importasse * com que me era desconhecido * apenas me convencesse * de que apenas indo * com ela * eu entenderia * toda essa sua histeria * ausente de justificativas lógicas * não que eu tivesse algo importante a fazer * que não pudesse me retirar de onde estava * só não compreendia * por que * ela teria vindo * até mim * e insistisse * tanto * nesse deslocamento * fora de hora * ela * a quem eu conhecia razoavelmente * bem * que até então * não tinha me mostrado * esse lado * obscuro e desnorteado * como que estava agora * na minha frente * apenas me chamando * me chamando * seu convite * tão desapropriado * para aquele momento * que chegava ser patético * e um pouco cômico * a situação * vê-la feito criança * que chora e puxa a saia da mãe * para mostrar algo que está em outro lugar * acontece que quanto mais ela esperneava * mais eu resistia * um pouco para ver o que aconteceria * se eu não fosse * e um pouco para deixá-la * ainda mais exausta * suportei essa brincadeira de vamos não vou por algum tempo * até que percebi * que se eu não fosse * logo * talvez * não visse mais * ela insistia * para eu ver  * que teimosamente fui * resistindo * estiquei meu braço * lhe ofereci um sorriso de vencido * e fui * pra fora daquele lugar que estava * quando cheguei * vi * mesmo que só um rastro * mesmo assim * ainda vi * e era lindo * tão * inexplicávelmente * lindo * somente eu * e ela * saberíamos * não fosse eu ter relutado tanto * e me atrasado tanto * provavelmente * teria visto muito mais * como teria *

mahatma andy
de algum tempo lá atrás que agora não lembro o ano e que foi hoje 01 de julho de 2016 revisitado e o reorganizado - me parece que agora faz mais sentido - tomara que sim e até qualquer hora.

.

Não há ao certo como entender a vida.
Mas quando alguém descobre que um outro com seus olhos consegue revelar sua vida, quando o leitor identifica sua própria vida escondida no coração de um escritor é então que a vida começa fazer mais sentido.


Mahatma Andy
10 setembro 2014

.

Ele grita muito alto no meio da noite.
Deve doer esse coração pra gritar tão forte.
Parece que queima tudo aquilo que pensa.
Vontade de sair na rua.
Levantar da cama.
Ir atrás dessa voz.
Mas medo de um tiro.
De me intrometer onde não preciso.
Eu mesmo não mudaria nada.
Só daria de comer a abelhudice.
Sossega que logo passa.
Volte com o som da tevê.
A noite escorregando quieta como tem que ser.
E esse grito arde mais.
Espaçados agora.
Entra ar naqueles pulmões.
Talvez esteja se conformando.
De repente parou.
Parecia que ia se aproximando.
Eu sentado na cama.
Já tinha ido até a janela.
Ele nao grita mais.
Quer dizer.
Não. Não grita mais.
Foi só impressão.
Eu queria ouvir mais.
O grito dele estava me fazendo bem.
Aliviava o meu abafado.
Inesperadamente um chute na porta.
E deu tempo de perceber que ele era forte.

Mahatma Andy

25 junho 2014

.

Não existe diferença entre eu e você. Não existe diferença entre o que você pensa e o que eu penso. A diferença se é que existe já que insiste, está no tempo das coisas. A diferença do tempo. Formaríamos um divertido casal. Uma boa dupla. Mas o tempo, esse animal arisco, escorrega entre as folhas do calendário. A sintonia fora do ar. A estação mais fria. Se agora não nos podemos. Ontem não tardará em voltar. Oferecemos tempo que noutra esquina, tão perto, ainda havemos de nos reencontrar.

Mahatma Andy

30.03.2014

.

E pra tudo acabar em. No mais profundo e violento desejo. Selvageria. E por que não somos livres? Se tudo que se consome é pra esse fim?! Sou cria dessa cisma burra e careta. O comum seria na rua quando se precisasse. Posso ter um dia de escritor em casa sem culpa? Posso buscar tranquilidade pra esse canto de dentro? Estamos atravessando a era do tédio. O tédio em seu trivial caminho desfila por entre minha rua depois circula a cidade inteira e sufoca a todos. Quero conhecer um ser humano ao menos que foi capaz de pensar a vida sem que tenha esbarrado com a tristeza. Fico nu em casa então. Em protesto solo. Aguardando notícias de outros mundos pelos aplicativos. Alguém há de querer entrar nessa dança. Aguardemos. Como sempre. Não adianta querer buscar sentido quando o sentido é o que menos se deseja. Fuma. Você não precisa ir para a rua. Você nesse momento não precisa. Aproveite. Correr pra que? Comer por que? Sair pra onde? Ah sim, pra acabar tudo em. Hoje dispenso. Preciso entender três coisas:

1.     onde foi mesmo que guardei todas aquelas sensações?
2.     quem avisou a policia que estou morto?
3.     do que eu lembro antes da patada do leão?




Mahatma Andy 
29.03.2014

.

ACIDENTE
Mahatma Andy e Ana ao telefone:

explodiu
o que?
o computador
onde?
na cara
de quem?
Jean
quando?
agora
como assim?
eu vi.
espera aí, o que está acontecendo?
tem pedaço dele em mim.
pedaço?
da cabeça eu acho.
que nojo.
pois é.
onde é?
aqui.
onde fica?
na frente.
do que? eu vou ficar doida.
da minha casa.
fala mais alto.
casa.
na frente da sua casa?
é.
Jean?
é.
não conheço.
meu namorado.
desde quando você tem namorado?
tinha.
desde quando você tinha namorado?
desde de sexta.
caralho.
agora a cabeça dele explodiu.
se isso for brincadeira eu vou ficar puta.
tem pedaço dele em mim. na minha boca.
cospe.
o que?
o pedaço dele.
pronto.
cuspiu?
cuspi.
ótimo. estou indo praí.
Ana.
que?
chama a policia.


FIM.
Mahatma Andy 

29.03.2014